Túnel está concluído

27 de março de 2021

Uma obra de engenharia que desafiou olimpicamente todas as vicissitudes, e que, mesmo assim, foi concretizada em 18 meses.  Apesar de já existirem caves por baixo dos dois prédios que dão acesso ao túnel, o que facilitou a entrada das máquinas, tudo o mais foi obra de arte e engenho. Como informa a GO Porto, foi criada uma estrutura alternativa de suporte aos prédios, para garantir a estabilidade. Tratou-se literalmente de suspender os dois imóveis, permitindo manter em funcionamento uma farmácia e a IPSS Associação Beneficência Familiar.

O túnel propriamente dito desenvolve-se a 10 metros à cota inferior dos arruamentos das ruas da Formosa e de Alexandre Braga. Seria quase inocente pensar que a escavação não reservaria surpresas. A rocha encontrada e – novamente a água –, criaram grandes constrangimentos ao andamento dos trabalhos. Por outro lado, o arranque da obra, que estava prevista iniciar pela Rua de Alexandre Braga, teve de ser alterado (isto porque, nesta artéria, decorriam escavações segundo o método mais moroso, precisamente aquele que se conseguiu alterar para construir a cave logística do Bolhão em tempo útil).

A juntar a estes reveses, também o método construtivo do túnel do Bolhão foi modificado. Em vez de estruturas de contenção, partiu-se para a colocação de estacas, cerca de 200, ao longo do caminho. Na Rua Formosa e de Alexandre Braga o túnel foi, por isso, construído a céu aberto, com todas as cautelas.

A intervenção implicou, ainda, a reabilitação das infraestruturas existentes, que tiveram de ser deslocadas e já se apresentavam bastante degradadas, nomeadamente águas pluviais, saneamento, abastecimento de água, telecomunicações, gás, entre outras redes.

Fique informado sobre as atividades do mercado.

© 2018 • Todos os direitos reservados.